POR QUE AS ESTRELAS CINTILAM E OS PLANETAS NÃO?

Podemos diferenciar um planeta de uma estrela por apresentarem trajetórias distintas no céu. No entanto, é possível reconhecer cada um desses astros observando atentamente a sua luz. As estrelas cintilam (piscam), ao passo que os planetas geralmente brilham continuamente. Para entendermos bem esse fenômeno basta sabermos o que é refração. REFRAÇÃO A luz se propagaContinuar lendo “POR QUE AS ESTRELAS CINTILAM E OS PLANETAS NÃO?”

O INCRÍVEL VOO DO DENTE-DE LEÃO

O dente-de-leão (Taraxacum officinale) é uma planta familiar para maioria das pessoas. Além de ser considerada uma erva-daninha, comum em gramados, quem já não quis soprar essas bolas redondas cheias de tufos? Embora muitos chamem essa bolas de flor, na realidade as flores dessa espécie são amarelas. A flor do dente-de-leão é uma inflorescência, ouContinuar lendo “O INCRÍVEL VOO DO DENTE-DE LEÃO”

DOIS GRANDES PASSOS PARA CONSTRUÇÃO DO MOTOR ELÉTRICO E O PRINCÍPIO DO SEU FUNCIONAMENTO

O físico Hans Christian Oersted descobriu uma propriedade curiosa da corrente elétrica gerada por uma pilha elétrica, inventada duas décadas antes por Alessandro Volta. Ao colocar a agulha magnética de uma bússola nas proximidades de um fio com corrente elétrica ele verificou que ela mudava a sua posição. Oersted concluiu que o movimento da agulhaContinuar lendo “DOIS GRANDES PASSOS PARA CONSTRUÇÃO DO MOTOR ELÉTRICO E O PRINCÍPIO DO SEU FUNCIONAMENTO”

A BARRA DE FERRO QUE AJUDOU A ENTENDER MELHOR O NOSSO CÉREBRO

Em 1848, o trabalhador Phineas Gage, de 25 anos, estava explodindo pedras na construção de uma linha ferroviária em Cavendish, nos EUA. Uma dessas explosões causou um acidente, fazendo uma barra de ferro atravessar a sua face. Apesar da perda de um olho e de parte do cérebro, Gage se recuperou e voltou a trabalhar.Continuar lendo “A BARRA DE FERRO QUE AJUDOU A ENTENDER MELHOR O NOSSO CÉREBRO”

SINUS PRÉ-AURICULAR, UM TRAÇO DE NOSSOS ANCESTRAIS?

Os peixes possuem fendas laterais próximas da cabeça que permitem a circulação de água para oxigenar as suas brânquias. Tais estruturas chamadas arcos e fendas branquiais correspondem às dobras abaixo da cabeça de seus embriões, que sofrem poucas modificações até o nascimento. Os arcos e fendas branquiais também aparecem nos primeiros estágios dos embriões deContinuar lendo “SINUS PRÉ-AURICULAR, UM TRAÇO DE NOSSOS ANCESTRAIS?”

ORIENTANDO AS NOSSAS CRIANÇAS

Muitas crianças (e mesmo adultos) não sabem indicar onde estão os pontos cardeais (norte, sul, leste, oeste). Já, usando uma bússola, todos conseguem dizer prontamente. Isso porque o seu ponteiro magnetizado aponta para o norte geográfico*, que fica próximo do polo sul magnético da Terra. O ponteiro da bússola, que é um pequeno imã, sofreContinuar lendo “ORIENTANDO AS NOSSAS CRIANÇAS”

COMO SABEMOS QUE A LUZ (TAMBÉM!) É UMA ONDA

No século XVII Isaac Newton propôs que a natureza física da luz era material, ou seja, ela consistia na propagação de um fluxo de partículas microscópicas. Posteriormente, outros cientistas defenderam a natureza ondulatória da luz. Foi somente no início do século XIX que o médico e físico Thomas Young por meio de uma série deContinuar lendo “COMO SABEMOS QUE A LUZ (TAMBÉM!) É UMA ONDA”

COMO SABEMOS A DISTÂNCIA DAS ESTRELAS?

Entre as estrelas que avistamos à noite, a mais próxima (Alpha Centauri) está a 40 trilhões de quilômetros da Terra. Mas como é possível calcular tal distância? A resposta é: usando a PARALAXE! PARALAXE: coloque o seu dedo na frente do rosto e feche o olho esquerdo. Agora repita somente com o olho direito fechado.Continuar lendo “COMO SABEMOS A DISTÂNCIA DAS ESTRELAS?”

O PRIMEIRO WIRELESS DO MUNDO!

O físico e matemático James Maxwell deu importante passo para melhor compreensão do magnetismo. A partir das ideias de outros cientistas (e.g. Gauss, Ampére, Faraday) ele formulou um conjunto de equações que descreve os fenômenos eletromagnéticos. Maxwell (1873) previu que perturbações eletromagnéticas geradas em um local deveria se propagar pelo espaço à velocidade da luz.FoiContinuar lendo “O PRIMEIRO WIRELESS DO MUNDO!”

POR QUE NOSSOS DEDOS ESTALAM QUANDO SÃO ESTICADOS? FAZ MAL ESTALAR?

Entre os ossos dos dedos há a presença do líquido sinovial, que lubrifica a articulação e permite o movimento suave e indolor. Nesse líquido há gases dissolvidos e quando os ossos são afastados um do outro, ocorre uma queda brusca de pressão no fluido. A pressão mais baixa no líquido permite que os gases seContinuar lendo “POR QUE NOSSOS DEDOS ESTALAM QUANDO SÃO ESTICADOS? FAZ MAL ESTALAR?”